Eu li…

‘Suffering Sucottash – A Picky Eater’s Quest to Understand Why We Hate the Foods We Hate’, Stephanie V.W. Lucianovic

Oi, meu nome é Juliana e eu sou ‘enjoada para comer’. Ou ‘chata para comer’. Ou qualquer outro sinônimo que signifique que boa parte dos alimentos me dá nojinho… de dar ânsia, com reflexo faríngeo…

Hoje eu tolero bem mais os alimentos e tenho tentado experimentar coisas novas. Consigo comer boa parte da comida alheia, apesar de ainda engolir com muita dificuldade uma macarronada de atum, ou salpicão e de ter recusado alguns convites para jantar na casa de amigos de etnias muito diversas (acho mais fácil experimentar coisas novas em restaurantes, se o gosto ou o cheiro ou a textura estão ‘errados’, é só deixar a comida no prato, mas e na casa dos outros? o e reflexo faríngeo?). Quando eu era criança e adolescente… meldels! Eu sofria, minha mãe sofria e durante um tempo eu simplesmente passei a recusar convites de almoço ou jantar que não fosse ‘seguros’ (ou seja, onde eu conseguiria encontrar pelo menos uma coisa que eu conseguisse comer, que fosse um pão, por exemplo). Durante minha infância, quando eu não tinha muita escolha, inúmeras técnicas foram desenvolvidas para (a) escolher o que ia parar no prato – de preferências quantidades mínimas; (b) esconder comidas ‘erradas’ – que pelo cheiro, gosto ou textura faziam minha garganta travar ou (c) fazer parecer que parte das quantidades mínimas que estavam no prato tinha sido de fato comidas. Por essas e outras que invejo um pouco as pessoas que falam que tiveram uma infância livre de preocupações… refeições quase sempre foram motivos de angústia durante toda a minha infância.

E ler o livro da Stephanie Lucianovic  foi, de certa forma, bem liberador! Eu não me senti sozinha – no meu círculo da infância eu era a única ‘chata’, ou pelo menos eu era a única cujos níveis de chatisse causavam problemas sociais (pq, veja bem, você não pode ir numa casa e simplesmente recusar a comida do anfitrião… você tem que comer e repetir! e vou dizer, é uma tortura comer 5 colheradas de uma comida que faz todos os músculos da tua garganta travar). E eu percebi que existem certas coisas comuns a todos os ‘chatos’ –  especialmente como quase todos os chatos passaram a apreciar a comida e se aventurar na expansão do paladar depois que passaram a cozinhar eles mesmos – alguns viram foodies, food lover & food bloguers – e que quase todos os chatos tem um método para testar alimentos novos – o meu, no caso de legumes e vegetais, é assar com azeite, sal e pimenta.

Stephanie busca repostas para as perguntas mais básicas sobre a ‘chatisse para comer’. Seria um problema genético? Emocional? Um tipo de TOC? No fim das contas, ainda não existem respostas concretas. São poucos os estudos sobre o assunto e, provavelmente essa condição é uma combinação destes fatores e de mais alguns outros que ainda não conhecemos.

O livro está longe de ser científico ou de ser um guia para pais com filhos enjoados. Mas se você é um adulto que já foi, ou ainda é um chato para comer, a leitura com certeza vai ser interessante.

5 down 7 to go. 

:)

Anúncios

Eu li…

‘Youth’ do J. M. Coetzee.

Uma ficção autobiográfica, Coetzee narra em terceira pessoa suas experiências como estudante universitário na África do Sul no fim dos anos 50 e seus anos em Londres no início da década de 60.

Ainda estou digerindo esse livro… me identifiquei demais com o John (de ‘Youth’)  / John Coetzee (de ‘Summertime’) para conseguir escrever apenas meia dúzia de linhas… sério, já passei horas tentando escrever alguma coisa, mas não consigo.

“A book should be an axe to chop open the frozen sea inside us.” – J.M. Coetzee, Summertime

3 down, 9 to go.

:)

Eu li…

‘Paul au parc’ do Michel Rabagliati.

Eu já contei aqui que sou fã da série Paul.  Já li todos, e acho que leria todos novamente. ‘Paul au parc’ é o mais novo livro da série, que eu comprei logo no lançamento já que eu não queria esperar pela disponibilidade da biblioteca e que ficou no criado mudo esperando ser lido até agora. (O que eu posso dizer? Meu lema de vida é: ‘livro comprado é livro não lido’. Mea culpa, mea maxima culpa.)

Para variar um pouco, adorei. Desta vez somos transportados à Montreal de 1970, Paul com uns 11 anos, com direito a muito escotismo (O que eu posso dizer? ‘Uma vez escoteiro, sempre escoteiro’ :), primeiro beijo, FLQ e crise de outubro.

E falando em FLQ e em crise de outubro, e de como Paul cresce num momento extremamente importante para a formação do Québec que temos hoje, e da forma como Rabagliati evoca o imaginário coletivo québécois; toda vez que leio Paul, me vem à cabeça Mario de Andrade, Macunaíma e formação de uma identidade / herói nacional. Queria me aprofundar um pouco mais no assunto, mas acho que isso é papo de boteco, com uma cervejinha e petisquetes acompanhando.

Divagações à parte, sempre recomendo a série Paul ao amigos, narrativa gostosa, estórias tocantes… a simplicidade do Rabagliati diz muito.

2 down, 10 to go.

:)

Eu li…

‘Darkly Dreaming Dexter’ do Jeff Lindsay.

O livro parou na minha mão de um forma meio sem-querer… Passeando pela biblioteca, meus olhos pararam nele… como gosto (muito) do seriado, pensei: ‘why not?’.

Bom, o livro é gostoso de ler, mas não é fantástico.  É para ser devorado rapidamente (eu li as quase 300 páginas em 2 tardes), tem um ritmo intenso – mas achei que do clímax para epílogo faltou alguma coisa.

O melhor do livro é a narrativa em primeira pessoa , com boas pitadas de humor negro. Dexter é uma personagem interessante demais, mas, posso ser honesta? Enquanto lia só conseguia pensar em fazer uma maratona do seriado… hehehe… Michael C. Hall deu ao Dexter uma faceta que eu não encontrei no livro.

Leria os demais livros da série? Talvez… Mas o que eu quero mesmo é a maratona! A temporada nova de Dexter começa no domingo!! :D

1 down, 11 to go.

:)

Desafio literário 2012 / 2013…

O Labor Day ou Fête du travail marca o início do novo ano acadêmico por essas bandas…. e, no meu caso particular, 31 de agosto marca o fim do ano fiscal da empresa, dia em que trabalho mais e fico mais estressadinha para que o fechamento aconteça sem nenhum problema…

E aí que, depois de tão pouco tempo no hemisfério norte, essa junção de recomeços ao meu redor, mais a mudança de estação, mais o feriado, me faz também querer começar alguma coisa… E como não volto às aulas, e como ando lendo muuuito pouco ultimamente (as horas diárias que eu passava no busão faziam a diferença no meu ritmo de leitura), resolvi aderir ao desafio literário de 2012. Versão hemisfério norte, já que o ano novo começa djá ;)

Só que, apesar de eu ter gostado bastante dos temas escolhidos para cada mês, eu já estou com o Darkly Dreaming Dexter em casa, e empolgada para começar a lê-lo; o que me fez inverter o tema de dois meses já que não basta aderir ao desafio com meses de atraso, tem que alterar a estrutura também, (ói como eu sou não conformista!, coff coff, preguiçosa!).

Bom, olhem só as minhas escolhas:

Setembro 2012
Serial Killer – O tema é autoexplicativo, mas para não dar margem às dúvidas, vamos lá: Literatura policial em que há a combinação de (policiais/detetives), investigação e, claro,homicídios seriados.
‘Darkly Dreaming Dexter’ – Jeff Lindsay
Outubro 2012
Graphic Novel – Vamos nos divertir mais! Para quem não sabe, Graphic Novel é um romance gráfico com enredos longos e complexos no formato de história em quadrinhos. ATENÇÃO: não valem gibis, aqueles de periodicidade mensal.
Os livros do Michel Rabagliati contam como graphic novel?! Se sim, minha escolha é ‘Paul au Parc’. Se não, preciso pesquisar mais antes de fazer uma escolha… honestamente não sei a diferença técnica entre comics, comic book e graphic novels…
Novembro 2012
Escritor(a) africano – que tal ler um autor nascido na grande mãe África? Pegue o mapa e monte o seu roteiro literário pelo continente africano.
‘Boyhood: Scenes from a provincial life’ – J.M. Coetzee 
Dezembro 2012
Poesia –  A correria típica do mês pede descanso, especialmente, para a alma. Vamos de lavar a alma com poesia! De qualquer forma e jeito, valem Haicais, acrósticos, épicos,  cânticos, elegias…, em outras palavras, pesquise, pesquise, pesquise!)
No momento tento ler uma coletânea de poemas da Sylvia Plath que eu peguei na biblioteca e estou achando extremamente difícil ler uma obra de poemas do começo ao fim… realmente prefiro ler poemas em doses homeopáticas… sem ordem nenhuma. Masss, tentarei ler Mensagem do Fernando Pessoa (ou algum outro livro de poemas que tenho em casa).
Janeiro  2013
Literatura Gastronômica – mês dedicado ao sabor da leitura. Afinal, leitura sem gosto não tem a menor graça. Em razão disso, propomos um tema leve, divertido e saboroso; sejam em forma de crônicas, poesias, romances, diários, biografia, memórias e demais gêneros que versem sobre a temática da comida.  ATENÇÃO: Livros contendo apenas receitas não valem.
‘My life in France’ da Julia Child foi o único livro desse gênero que eu me interessei em ler. Preciso pesquisar mais sobre as opções antes de fechar minha escolha, mas, a princípio fico com ‘A Homemade Life’ da Molly Wizenberg.
Fevereiro  2013
Nome Próprio (de pessoas) – existem personagens cujo imenso carisma  ganha logo destaque na capa de um livro.  E a regra do mês é essa: só vale livros cujo título contenha nome próprio – e apenas ele -, exemplo: Quincas Borba, Benjamin, Emma. Vai ser divertido e muito fácil caçar títulos do tipo; seja na estante de casa, de uma livraria ou de uma biblioteca.  ATENÇÃO: apenas nome próprio de pessoas! Sem complementos tais com verbo, advérbio, adjetivo e outros. Pronomes de tratamento estão valendo.
Estou entre: ‘Emma’ – Jane Austen e ‘Jane Eyre’ – Charlotte Brontë
Março 2013
Mitologia universal – Romances, poesias, contos que abordem mitos e lendas de culturas distintas (brasileira, Greco-romana, céltica, indiana, mexicana, nórdica, etc…).  É um universo de opções!!! Mas até que Setembro chegue, há um bom tempo para a pesquisa e aquisição. É manda ver.
Não tenho idéia… ainda…
Abril 2013
Escritor(a) oriental – que tal explorar a terra do Sol nascente e demais países do Extremo Oriente e do sul da Ásia? Entram em cena os escritores chineses, japoneses, indianos, coreanos, etc…
Também não tenho idéia… ainda… preciso checar o acervo da biblioteca antes de escolher alguma coisa.
Maio 2013
Fatos Históricos – Esse mês será destinado à leitura de romances cuja trama apresente acontecimentos que marcaram a história nacional ou mundial. Frisando, apenas romances. Não valem livros de História Geral, nem biografias.
‘A Farewell to Arms’ – Ernest Hemmingway
Junho 2013
Viagem no Tempo – romances que abordem a ida de viajantes do  tempo para o passado  ou futuro. Se eles voltam ou não, só a história dirá. Em tempo: Livros científicos ficam de fora.
Novamente, preciso ver o que há de disponível na biblioteca, mas estou entre os seguintes: ‘The Sleeper Awakes’ do H.G. Wells, ‘Slaughterhouse-Five’ do Kurt Vonnegut (acho que é a minha primeira opção), ‘A Connecticut Yankee in King Arthur’s Court’ do Mark Twain e ‘A Christmas Carol’ do Dickens.
Julho 2013
Prêmio Jabuti –  Esse é o prêmio mais importante do cenário literário brasileiro. E conta com 29 categorias, mas para fins do Desafio literário valem apenas as categorias  Livro do Ano  e Romance, de qualquer uma das 53ª edições da referida premiação leitura. Para abrir mais o leque de opções:  Além das obras ganhadoras, é permitida a leitura das obras indicadas ao prêmio. Clique no link abaixo e pesquise:  http://www.premiojabuti.com.br/edicoes-anteriores
Difícil escolher… especialmente pq, até onde vi, só tenho ‘A hora da estrela’ aqui em casa. E não queria repetir leitura. Até onde pesquisei, estão na minha lista provisória ‘Lavoura Arcaica’ do Raduan Nassar , ‘Benjamim’ do Chico Buarque e ‘As meninas’ da Lygia Fagundes Telles. Será que alguma alma caridosa de passagem pelo Brasil faria o favor de comprar um desses livros pra mim? ;)
Agosto 2013
Terror – O tema impõe a regra: tem que ser história que mete medo.  Pode ser suspense psicológico ou sobrenatural, isto é, valem tanto as histórias com personagens sobrenaturais (vampiro, zumbi, bruxas, lobisomem…) como as narrativas com personagens humanos.
Ainda não bati o martelo, mas estou entre ‘Dracula’ de Bram Stoker, e algum livro do Stephen King (‘Carrie’, ‘The Shining’ e ‘It’ em especial).
E é isso… em 30 dias volto com um update sobre o assunto… espero, realmente, conseguir manter o ritmo de 1 livro por mês…
;)