Ballet nights…

Hoje é noite de ballet! Mais especificamente, de ver ballet. De ver o Ballet da Ópera de Paris dançando Paquita! Meu coraçãozinho que ama ballet de repertório está batendo mais forte! :)

Mas, posso contar um segredo!? Apesar de amar um ballet de repertório, e de estar na expectativa de ver uma das grandes companhias do mundo se apresentar no conforto da minha querida cidade, o que eu queria mesmo é era estar em NY, vendo a despedida da Wendy Whelan no New York City Ballet. Quando eu soube que ela estaria deixando o City Ballet, a ideia era me planejar para ver… masss… não deu. Oh well… não dá para se ter tudo nessa vida. :)

Então, no quesito #WWFarewell (yes, there’s a hashtag) me contento vendo o videozinho abaixo… Com direito a dois ballets,  ambos do Christopher Wheeldon: ‘This Bitter Earth’ (com Tyler Angle) e o pas de deux de ‘After the Rain’ (com Craig Hall).

<3

 

Anúncios

Ah, o ballet…

Nova sessão acabou de começar… novo nível… o amor continua o mesmo! Melhorei muito de um ano pra cá, mas ainda me acho um zero à esquerda! hehe Alguns podem dizer que sou crítica demais comigo mesma, e muito provavelmente eu sou mesmo, mas o bom de fazer ballet quando adulto é ter todo o tempo do mundo para me tornar a bailarina que eu quero ser.

Tenho minhas metas para o novo ano e uma delas é praticar mais em casa (até me dei uma barra de presente de aniversário!). E outra é ganhar um pouco mais de graça nos movimentos, mas vou dizer que quando você está pensando em ‘n’ músculos, no quadril alinhado, nos ombros, nos braços, em todos os dedos do pé tocando o solo, é realmente difícil ainda ter que mentalizar estar colhendo flores no campo, ou lembrar de sorrir, ou não ficar com aquela cara de pânico.

Eu já disse que amo fazer ballet? Eu amo! Com cara de pânico e tudo.

E, para acompanhar, e finalizar, não podiam faltar vídeos!

Primeiro, um trecho favorito, de um ballet contemporâneos favorito:  o adágio das tortas, de Alice’s Adventures in Wonderland, coreografia do Christopher Wheeldon. Pausa pra dizer que ele é um dos meus coreógrafos favoritos! Morro de vontade de ver, além da Alice, Polyphonia e Les Carillons.

E, o segundo vídeo, o adágio das rosas, da Bella Adormecida, com a sempre divina Aurélie Dupont, étoile do Ballet da Opera de Paris. Um clássico do ballet de repertório que eu adoraria ver também.

Semelhanças entre os dois não são coincidências.

:)

Some Like It Hot…

Uma das coisas que eu mais curto nas aulas de ballet é ter o acompanhamento de um pianista… especialmente um com um certo senso de humor.

O das aulas de segunda é meu favorito… Tem um repertório variado e que de vez em quando me faz rir.

Dia desses, ele resolveu tocar ‘La cumparsita’ durante os grand battements, para o meu deleite! Vejam bem, ‘La cumparsita’ embala uma das cenas favoritas, de um dos meus filmes favoritos de todos os tempos… ‘Some Like It Hot’ (ou ‘Quanto mais quente melhor’ em português). Como não morrer de rir visualizando Jack Lemmon, de vestido e rosa na boca, dançando tango?  Eu não consigo. E olha que já perdi a conta das vezes que já assisti esse filme!!

Outra trilha boa para grands battements? Que também me fez rir horrores enquanto levantava as pernocas? A ‘Dança dos cavaleiros’ de Romeu e Julieta.

Como tenho ido muito ver a OSM nos últimos tempos (acho que o ballet renovou meu amor pela música clássica) e tenho muito o que falar sobre ambos assuntos, acho que vou ampliar o disclaimer para ‘esse blog não pretende ser um blog de imigração, nem de ballet, nem de música clássica’.

:)

Jewels…

E aí que meu 2014 começou corrido… mas por boas causas!! Entre o ballet e um curso de gestão de projetos que eu estou fazendo, não sobra muito tempo pra outras coisas… E, como eu adoro adicionar coisas ao meu calendário já cheio, resolvi encaixar uma visitinha a Nova Iorque! A primeira ever!

A missão era simples: ver uma apresentação do New York City Ballet. A vontade era de ter ido no fim do ano com um pouco mais de tempo, para aproveitar os dias de folga, só que eu já tinha ingressos para o Quebra Nozes daqui e nem todo o amor do mundo por esse ballet me fariam vê-lo duas vezes no mesmo ano. Felizmente os astros se alinharam para eu assistir ‘Jewels‘, no dia da celebração dos 110 anos do aniversário do Balanchine!!  (esse segundo detalhe eu fique sabendo depois)

E eu obviamente estava empolgada, já que ‘Jewels’ é um clássico! Considerado o primeiro ballet abstrato em três atos e um primor no quesito coreografia, figurino e música – acho fascinante que, mesmo sem enredo, cada ballet evoca um tempo e passa uma mensagem a quem assite.  Sou fã do Balanchine. Simples assim.

E como eu ainda não tive tempo de ver as fotos que eu tirei, ou de preparar um post sobre NY em si, fiquem com ‘Jewels’*!

* Principals do NYCB falam um pouco sobre o ballet (em inglês).

* Suzanne Farrel (o diamante principal do ballet original) & Peter Martins (atual diretor artístico do NYCB) no pas de deux de ‘Diamantes’.

* ‘Rubis’! Com o Ballet Mariinsky! (apenas um trecho, infelizmente)

* ‘Diamantes’! Com o Ballet da Opera de Paris! (Que se apresenta em Montréal na próxima temporada!! Nem preciso dizer que eu vou, né?)

:)

P.S.: E para os interessados no NYCB ou em ballet em geral, super recomendo a série city.ballet.

* Aurora Borealis nunca tentou ser um blog sobre imigração e não vai tentar ser um blog sobre ballet.

Ah, o ballet…

Semana passada recebi um ‘C’est beaucoup meilleur, Juliana!’ do professor… nem preciso dizer que ganhei meu dia e voltei pra casa sorrindo! Obviamente, na mesma aula, ele disse que eu preciso melhorar meu ritmo (vamos dizer que sigo meu ritmo interno e não a música… hehe) e deu um puxão no meu dedo indicador (puxão carinhoso, mesmo com a ameaça dele ser arrancado :o).

Acho que já mencionei aqui, mas tenho dois professores diferentes, com estilo de aula diferentes, e que eu adoro igualmente. A profa fofa e o profo que, na minha cabeça, é o estereótipo de um professor de ballet, o P.

A profa é a doçura em forma de pessoa, até as aulas delas são doces (exceto o alongamento para fazer espacate, esse é tortura)… P é bem mais dinâmico (o que pode ser bem frustrante quando você não sabe lhufas de ballet), e bem mais criativo na hora das correções. Por exemplo:

– ‘Está errado. Isso que você está fazendo é Bob Fosse’.

(em ballet não se faz como Bob Fosse, infelizmente)

– ‘Que mão é essa? Se preparando pra comer um Big Mac?’

(mea culpa e de metade da sala… éramos todos comedores de Big Mac)

– ‘Atenção com a perna! Aqui não é lugar de cavalo!’

(mea culpa e de mais alguns enquanto fazíamos uma sequência de grand battements en arrière)

E entre os dois, e considerando que eu tenho menos de um mês até o fim da sessão, eu sinto as coisas evoluíndo… não é algo rápido, mas também não é lento a ponto de me sentir super frustrada, desestimulada e de querer desistir.

Estou apaixonada, minha gente… Que os deuses da saúde e do emprego me permitam continuar com esse meu prazerzin, de preferência mais do que duas vezes por semana (estou pensando seriamente em aumentar o número de aulas para 3 na próxima sessão), por muitos e muitos anos.

:)

Ballet…

Quem lê o bloguitcho com uma certa frequência sabe que há pouco tempo realizei uma vontade da vida inteira ao me matricular em aulas de ballet para adultos. A mini-sessão de verão acabou no fim de julho e desde então estou querendo escrever sobre a minha (pouca) experiência… 

Primeiro quero dizer que eu estou adorando! Tanto que já me matriculei na sessão de outono. 2 vezes por semana. A sessão de outono já começou, mas estou com preguiça de começar um post novo. hihi. E não vejo a hora de setembro chegar! Setembro já está na metade. Mesmo que isso também signifique o fim do verão… O verão oficialmente não terminou mas já estou andando com duas camadas e hoje passei frio no pé de manhã cedo só de sapatilha, então, darei o verão como morto, ok? E o fato de eu estar adorando não quer dizer que aprender ballet, quando nunca se fez na vida, seja fácil. Meldels, é tudo menos fácil. Mas a aula passa voando, eu estou me divertindo, e, mesmo com tão poucas aulas, eu já notei algumas mudanças em mim (postura, principalmente).

E é aqui que a inspiração para escrever acaba. Tenho muito ainda o que falar… e se alguém me der corda, ao vivo e à cores, falo sobre minhas aulas por um tempão… mas ando sem paciência para colocar meus pensamentos em palavras (não apenas sobre o ballet, mas sobre a charte des valeurs québécoises que anda me fazendo espumar pela boca*). A verdade é que ando com uma falta de vontade enorme de escrever. Here, there and everywhere.

Talvez seja meu “autumn funk” (já ‘descritos aqui e aqui, hehe).

Ai, que preguiça!”

:)

* sou dramática.