Eu li…

“Never Let Me Go” do Kazuo Ishiguro

Fui um dos primeiros livros que reservei na Biblioteca, junto com “Barney’s Version” do Mordechai Richler, e depois de meses e trocentas pessoas na minha frente na lista de reserva, consegui pegá-lo… honestamente, o livro é bom, mas talvez por conta do hype e de minhas altas expectativas não achei “o” livro (leia-se, não compraria para tê-lo em casa e possivelmente ler outra vez – obrigada Grande Bibliothèque pela economia! hehehe).

Não achei o livro maravilhoso e, apesar da sociedade distópica, não pensei no livro como uma ficção científica ou uma crítica a nossa sociedade… estava esperando um estilo mais interessante, mas a narrativa, em primeira pessoa, que segue o fluxo mental da Kathy, a protagonista, é cheia de permeios, de idas e voltas na memória até que todos os elementos relevantes são mostrados ao leitor… “Barney’s Version” também é assim, mas achei o estilo do Richler mais interessante (infelizmente não consegui terminar de ler dentro do meu período de empréstimo, mas nesse caso, comprarei felizona o livro! Até onde li, achei tudo muuuito bom!)…

Assim como a Kathy menciona que em Hailsham (internato onde se passa boa parte da narrativa), eles sabiam de tudo sem nunca terem diretamente informados, achei que com o leitor é a mesma coisa… quando as grandes revelações são dadas, a sensação é de “ah, mas isso eu já sabia”… achei o paralelo interessante, mas, no fim, o livro ficou com um gostinho de “meh”… gosto de livros arrebatadores de alguma forma, que me fazem parar no meio da leitura e pensar “[Inserir o nome do Autor], você é um gênio!!!”… Never Let Me Go foi um afago no rosto…

Dito tudo isso, tenho que dizer que estou curiosa para ver o filme… especialmente por ter descoberto que o diretor é o Mark Romanek! Considero ele um dos melhores diretores de video clip ever, junto com o Spike Jonze, (alguns dos meus clipes favoritos dele: “Rain” e “Bedtime Story” da Madonna, “Hurt” do Johnny Cash, “Got ‘Til Is Gone” da Janet Jackson, “Closer” do Nine Inch Nails, “Speed of Sound” do Coldplay, “Criminal” da Fiona Apple, “Cochise” do Audioslave, “99 Problems” do Jay-Z e “Devil’s Haircut” do Beck) e fiquei interessada em ver o trabalho dele num longa.

:)

Anúncios

4 pensamentos sobre “Eu li…

  1. Oi, Juliana.
    Comecei a seguir seu blog hoje a tarde e gostei muito! Uma coisa que achei bem legal eh voce vez ou outra fazer uma resenha sobre um livro lido. Muito bacana!!
    Sei que seu site nao tem nada de “assessoria para imigracao” (e nem procuro isso), mas te mandei um e-mail sobre uma perguntinha que tenho. Soh fiquei na duvida se realmente deveria mandar para o e-mail que esta indicado do MSN (do hotmail). Eh ele mesmo?
    Bom, continuarei seguindo o blog e vendo todas as fotos lindas de Montreal que vc posta…
    Abracos,
    Tatiana.

  2. Ok, vou ter q responder rsrsrs

    Sabe, gostei bastantão desse livro. Também não encarei a história como ficção científica, mas fiz uma comparação com nossa vida. A completa submissão deles ao destino q os aguardava (morte)no começo me irritou profundamente, mas depois pensei como sendo a nossa submissão ao nosso destino tb, como algo irremediavelmente. Somente na hora q o Tommy começa à gritar na frente do carro depois de ter dado errado o plano q demonstrou q embora submisso ele não estava feliz. Aí no fim, aquela frase da kathy de não importar qdo se viva à sensação de q nunca é o suficiente, me tocou….

    Eu vi o filmé e não gostei (novidade…). Eh q colocaram um romance e à kathy como protagonista pura e virgem esperando o principe encantado. No livro ela eh bem mais real e interessante. Com desejos e talz…
    Mas ok, veja o filmé e depois me fala.

    Bjo

    • hehehe!! Responda a vontade!!

      Fiquei com vontade de ver o filme mais pelo diretor do que por qualquer outra coisa… Acho Mark Romanek genial nos video clipes…

      Sobre o livro, preciso ler mais um livro do Ishiguro antes de dar meu veredito final (quero ver se leio The Remains of the Day num futuro próximo)… Talvez o problema seja eu mesma, que não estou acostumada com romances de autores orientais (já li muito poema oriental, mas romance mesmo, nunca). Por sinal, uma das indicações que me levou a colocar o livro na lista veio de uma fotografa que morou um bom tempo na Coreia/Japao… talvez seja o tipo de estilo que vai levar mais tempo para eu apreciar… enfim… se quiser levar o papo para um barzinho, sou totalmente a favor!! kkk

      Bjo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s